Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Paula Veiga Claro

Fotografia e o prazer de ser Mulher e Mãe

Paula Veiga Claro

Fotografia e o prazer de ser Mulher e Mãe

Mundos fantásticos :-)

31.10.11, Paula Veiga Claro
E hoje ao final da tarde lá fomos dizer adeus ao Mundo Fantástico da Playmobil que tem decorrido ao longo de todo o mês de Outubro no Centro Comercial Alegro.

É giro ver todas aquelas crianças entretidas a brincar com tantos playmobis! aquilo é mesmo divertido... o pior é quando começam à briga porque querem a mesma coisa!! mas a nossa piolha não se pode queixar porque teve a oportunidade de brincar com todas aquelas construções ao longo do mês.

E hoje, em jeito de despedida, ficou-se pelo castelo!! apaixonou-se pelo dragão vermelho e andou à disputa com um menino porque queriam ambos o dito bicho. Mas ela lá arranjou maneira de o convencer a ficar com o dragão preto! Coitado, se ele não aceitasse ela ia massacrar-lhe tanto a cabeça que o menino ia acabar por lhe devolver o dragão vermelho só para não ter que a ouvir!! :-)))
E queria trazer o bicho para casa, pois claro, mas não pode ser. Os playmobis têm que ficar lá. Mas ela teve pena do dragãozinho porque já não tinha asas, "algum menino mau as partiu" dizia ela.

Mas confesso que gostei mais da exposição do ano passado, tinha construções mais expectaculares. A Rafaela bem perguntou pela casa mas este ano não havia. No ano passado ela adorou brincar com aquela casa gigante que fazia as delicias das meninas com todas aquelas coisinhas tão queridas.

Mas valeu a pena. É uma excelente iniciativa.

Para o ano certamente haverá mais ;-)

Horário de Inverno

30.10.11, Paula Veiga Claro
Sim, detesto o horário de Inverno. É absolutamente deprimente. Detesto os dias pequenos, o anoitecer às cinco da tarde. Dá-me uma neura tremenda :-(
Agora a piolha acorda da sesta, lancha e em breve o dia dá lugar à noite. Lá se vão as nossas belas tardes outdoor por esses jardins e parques fora... lá se vão os nossos passeios de bicicleta, de mota da Kitty e de trotinete.... lá se vão as tardes de correria e pura brincadeira em que chegamos a casa todas transpiradas, prontas para uma banhoca e um belo jantar... lá se vão os finais de tarde na praia...

Agora só nos resta aproveitar os dias em que não chove e em que o frio não aperta em demasia para conseguirmos espairecer a nossa energia com uma breve saída à rua. Sim, porque ambas temos bicho carpinteiro, estar paradas e enroladas no sofá  a tarde toda não faz minimamente o nosso género!! Precisamos de acção! muita acção :-))

Aliás, eu não consigo estar muito tempo parada, começo a ficar nervosa, agitada e impossível de aturar. Sou como aqueles cães que precisam de ir à rua para espandir as energias e correm, correm!!... em pequena era imparável e agora em adulta continuo na mesma... tenho algumas melhoras mas são poucas! :-)) Com estes genes explosivos não admira que a minha piolha seja assim, uma bichinha cheia de energia!!! Agora percebo o trabalho que eu dei a criar :-)))

Quem fica maluco é o papá!!! eh eh eh! ele que é um homem tão calmo e sereno... mas ainda bem que ele é assim porque é o nosso equilibrio e por vezes o nosso travão!! Se ele fosse como nós isto era lindo, era!!!  

Bem, mas agora é puxar pela imaginação e fazer bons programas indoor. Ler, escrever, pintar, fazer puzzles, brincar com os bonecos, construir casinhas, fazer comida para os bebés, pentear as Barbies, contruir um salão de cabeleireiro... construir uma torre de legos para a Bruxa má viver... brincar ao esconde... atirar os balões ao ar sem os deixar tocar no chão porque o chão está cheio de crocodilos... tentar encaixar as bolinhas na baliza.... e ver quem consegue pescar mais piranhas... e pôr mais bolas nas patas da lagarta bailarina... e convidar algumas amiguinhas para passarem umas horas aqui connosco... enfim, brincadeiras não faltam!!!

Agora é correr os centros comerciais por esta cidade fora (e são muitos!) em busca de diversões para a criançada! Felizmente há imensos programas e muitos deles são gratuitos o que é duplamente aliciante ;-)

Mas mesmo assim não gosto do Inverno. Não me convence. Não há nada melhor que brincar ao ar livre... e eu sou do tempo em que as crianças brincavam livremente na rua. Eu, por exemplo, tinha em frente à minha casa um jardim enorme e um parque infantil fabuloso!... eu e o meu irmão brincávamos horas e horas com os meus vizinhos, chegávamos a casa estoirados, cheios de nódoas negras e esfomeados!

Hoje em dia os tempos são outros.... é tudo muuuuuuuito diferente. Mas mesmo assim confesso que não troco um programa ao ar livre por um programa indoor. Nem pensar! E para as crianças é fundamental.

Mas lá no fundo, no fundo, o Inverno também tem qualquer coisa de especial... o aconchego da casa... o prazer de um chá (e nós aqui em casa somos todos fãs de chá! é a nossa bebida de eleição durante todo o ano mas no Inverno tem outro sabor)... ouvir a chuva lá fora enquanto estamos fofinhos debaixo do edredão... acender velas aromáticas de canela ou baunilha... sentir o cheiro das torradas de manhã que nos convida ao conforto e nos tira a vontade de ir para a rua apanhar chuva... montar a árvore de Natal ao som dos Cds natalícios enquanto a piolha delira com as luzes e figurinhas para pendurar...

.....E PREPARAR O ANIVERSÁRIO da princesa porque ela foi uma verdadeira menina Jesus :-) este sim, é o ponto máximo do nosso Inverno!

Ajudar quem precisa

28.10.11, Paula Veiga Claro
Ontem passei a manhã a arrumar a arrecadação... uma manhã fantástica portanto... bufff.... mas tinha que ser. A porta já mal abria com tanta tralha lá dentro. Arrumo a arrecadação inúmeras vezes ao longo do ano mas em pouco tempo se enche novamente e fica de pernas para o ar. E eu não suporto bagunça!




Por isso mesmo, ontem tive que tomar uma decisão. Edredões?, candeeiros, relógios de cozinha, almofadas, pastas, malas e malinhas, botas, roupas e dois sacos cheios de cabides. Tudo novo, tudo impecável... mas são coisas que já não usamos, coisas que deixaram de fazer sentido na nossa actual decoração porque quando a piolha nasceu fiz inúmeras alterações pela casa e ainda hoje gosto de alterar pequenos detalhes que dão uma lufada de ar fresco.

Botas e roupas que ficaram novas mas que também já não usamos. E não vale a pena pensar que as vamos voltar a calçar ou a vestir porque quando deixamos de gostar de certas peças de roupa a verdade é que já não as voltamos a usar.

Em suma, coisas boas e novas que estão ali a ocupar espaço.... sim, porque agora a "tralha" é outra e há que arranjar espaço para as nossas bicicletas, para a trotinete, para a mota e para um monte de coisas da piolha... para já não falar na colecção de DVDs e jogos do papá que cresce que nem cogumelos e vai ocupando sempre mais uma prateleira... ai ai...

E assim foi. Arrumei, dividi as coisas e coloquei tudo em caixas e sacos. E hoje fui dar a quem precisa. Enteguei tudo no Entreposto Solidário que fica no Estádio Municipal de Oeiras (junto ao bar, mesmo à entrada do parque infantil do Parque dos Poetas). Está aberto todas as Quintas/ Sextas e Sábados das 10h00 às 12h00 e das 15h00 às 18h30.

Já lá tinha estado a recolher informações e por isso aproveito para passar a palavra. Neste Entreposto podem entregar TUDO o que já não vos faz falta (roupa, roupa de cama, artigos de puericultura, móveis, artigos de decoração, filmes, CDs, livros, malas, carteiras, chapéus, etc). Tudo isto para ajudar as famílias carenciadas do Concelho de Oeiras e arredores. E são muitas... cada vez mais.

E fui atendida pela voluntária de serviço com um caloroso sorriso de gratidão. Agradeceu-me por tudo aquilo que lhes levei, inclusive pelos dois sacos de cabides que lhes vão dar um jeitão para arrumar toda a roupa que vão recebendo e que se vai amontoando. Falámos imenso e fiquei impressionada com os seus relatos. Há pessoas que nada têm... é triste... muito triste.

Mas saí com um sorriso nos lábios e com uma satisfação enorme por saber que todas aquelas coisas que tinha na arrecadação vão ser muito úteis a alguém.... vão fazer alguém feliz.

Aquilo que já não nos agrada pode ser um verdadeiro achado para outra pessoa ;-)

Cair da cama...

27.10.11, Paula Veiga Claro
Dou por mim a pensar quando é que a minha filha conseguirá dormir como uma pessoa normal???... é que ela nem a dormir está quieta, é uma coisa impressionante. Dorme a noite inteira que nem uma pedra, lá isso é verdade, mas nem a dormir está sossegada!
Ora tem a cabeça para os pés, ora está atravessada, ora está com os pés na parede, ora bate com a cabeça por onde calha, ora vem parar ao meio do chão! Esta noite lá acordei eu com a piolha quase debaixo da minha cama! :-)))

Ela ainda dorme no nosso quarto e continuará a dormir até ela o desejar. Não nos incomoda minimamente e assim estamos todos descansados. O papá pode cair-lhe a casa em cima que ele não acorda e eu, ao invés, estou sempre de antenas no ar! Gosto de ter a piolha mesmo ali ao lado, pode acontecer qualquer coisa (nunca se sabe) e assim estou mais descansada. Sou galinha, pois sou. Sou assim.

Em suma, nós dormimos tranquilos e ela também porque sabe que a mamã e o papá estão mesmo ali na cama ao lado. Talvez por isso ela durma tão bem durante toda a noite pois sente-se segura e protegida. E mesmo quando está doentinha e acorda com algum mau estar acaba por adormecer num instante porque eu estou ali, basta esticar o braço e agarro a sua mãozinha para a confortar. Há quem me critique mas nós funcionamos assim. Tenho lido muito sobre o assunto e não me parece mal. Há quem diga que é bom começarem a dormir nos seus quartinhos desde muito cedo para estimular a autonomia e blá blá blá.

Mas que autonomia??? Desde quando um bebé com três ou quatro meses deve dormir longe dos pais?... não concordo. Todas as crias ficam junto dos seus progenitores enquanto bebés, é uma espécie de lei da natureza. O homem é que gosta de desvirtuar as suas necessidades mais básicas! E a pedopsiquiatria dá o seu contributo com teorias absurdas que levam os pais a achar que devem espetar com os bebés no seu quartinho o mais rápido possível.

Eu não concordo. Tudo tem o seu tempo. Os anos tudo trazem e tudo levam. Quase todas as pessoas que eu conheço se queixam que os filhos acordam ao meio da noite assustados, com pesadelos nocturnos e os pais (para não passarem a noite em branco ou de um lado para o outro) optam por os meter nas suas camas e pronto. Isso para mim é que não está correcto. Do que serve uma criança ter a cama no seu quarto se depois acaba por passar a noite na cama e no quarto dos pais??? Não percebo... se isto é a autonomia de que falam então há qualquer coisa que não bate certo!

E não me venham com a conversa que o casal precisa da cama para outros fins.... e a intimidade e blá blá blá... isso é para os casais sem imaginação, que não é propriamente o nosso caso!! :-)) desde quando a cama é o único sítio da casa para.... namorar? :-)))))

Pois aqui na nossa casa a cama da Rafaela está no nosso quarto mesmo ao lado da nossa. Estão ambas separadas por dois palmos. Fui-lhe tirando as grades e este Verão optei por tirar a última. Agora tem uma cama de gente grande. Mas quando vi a cama sem grades percebi que aquilo não era para a piolha!! Corri ao IKEA onde lhe comprei duas protecções laterais (uma para cada lado). E mesmo assim, os dois palmos que separam a cama dela da nossa, são preenchidos (durante a noite) por umas almofadas enormes que ficam na vertical para impedir quedas.

Mas não resulta. Enquando dorme consegue passar por cima das protecções laterias, vai-se enfiando, vai derrubando o muro de almofadas gigantes e acaba no meio do chão. A sorte é que a queda é muito pequena e bastante amortecida!!

Esta noite lá acordei eu com a piolha enfiada quase debaixo da minha cama!!!!... "OHHH amor, caiste da cama! Vá, vai para a tua caminha!". Agarro-lhe os bracinhos e lá vai ela feita zombie de joelhos para a sua caminha!! e não acorda!! atira-se para a cama de qualquer maneira e continua a domir... do outro lado da cama tem a parede mas mesmo assim já caiu para esse lado também! vai-se metendo, metendo, passa a protecção lateral e a cama acaba por se desviar da parede e ela enfia-se por ali adentro.

Enfim.... coitado do meu futuro genro!! tenho a impressão que vai levar com muitos pés e cotovelos!!... e se não for parar ao chão com um empurrão furioso será uma sorte! :-)))))

Quando era bebé tinha as grades, a cabeceira e os pés da cama todos protegidos com umas protecções fofinhas porque ela mexia-se de uma forma estonteante e eu tinha medo que ela partisse a cabeça ou as pernas enquanto dormia... agora a caminho dos 4 anos as melhoras não são nenhumas!!! Continua a dormir da mesma forma... ou pior!

Quais colchas, quais lençois, quais mantas, quais edredões, quais sacos cama??? Mal sente qualquer coisa nas pernas vá de espernear até ficar toda destapada... mesmo a domir começa aos pontapés e só pára quando se sente destapada... eu fico doida!!!... ou então mexe-se tanto que acaba por se enrolar nos lençois e depois esperneia porque se sente presa e vá de se destapar furiosamente.

Ainda me lembro que quando ela era bebé (com 4/5 meses) cheguei a coser os lençois à colcha para ela não ficar sufocada debaixo daquilo tudo! semelhante coisa já se metia por todo o lado...cada vez que mudava a cama vá de descoser e voltar a coser... bufff... experimentei todas as técnicas possíveis e imaginárias mas todas elas em vão.

Tive que optar pelos sacos, pois claro! Em bebé dormia nos sacos (depois de muito procurar acabei por encontrar uns na C&A e na Vertbaudt que impedem a criança de se enfiar por eles adentro! têm mangas amovíveis e funcionam na perfeição, nunca ficam sufocados)... mas aos 11 meses começou a andar e desde então nunca mais quis sentir as pernas presas num saco! vá de espernear como um peixe preso na rede!!!

Optei então por sacos com pernas e actualmente dorme com babygrows polares (os da Chicco e os da C&A são excelentes). Muitos até têm gola alta para as noites bem frias de inverno! E por baixo veste o pijama e o que for preciso para ficar quentinha toda a noite... e assim dorme livre, solta e à vontade como ela gosta... a mim faz-me imensa confusão pois eu adoro tapar-me até às orelhas com o edredão fofinho naquelas noites geladas de inverno... aliás, nem no Verão durmo destapada, não gosto, não me sinto confortável. Enfim... mas ela é que sabe. Se gosta assim e se é assim  que se sente bem... ok :-)

Mas espero que vá melhorando pois como é que ela vai dormir quentinha quando já não houver babygrows para meninas grandes???... no outro dia vi um para 8 anos e confesso que fiquei mais descansada... quase que me servia!! :-))) se não houver dormirá com um daqueles fatos para ir para a neve e pronto!!!! eh eh eh

Bem, mas tenho esperanças.... a ver vamos ;-)

Hoje tornei a pecar!

24.10.11, Paula Veiga Claro

Pois é, eu tinha dito a mim mesma que para este inverno a piolha já só precisava de um par de sapatos. Já tinha as compras todas em dia para a madame.

Apaixonei-me por uns sapatos castanhos de camurça que vi na Lanidor Kids mas o número dela estava esgotado nas lojas do Central Park e do Dolce Vita Tejo. Mas toca de continuar a procurar porque os ditos sapatinhos são um amor e são exactamente aquilo que eu procurava! Para além disso, ao contrário do que se possa pensar, o calçado da Lanidor é mais barato que o da Chicco, Geox, Pablosky ou Billowy e é igualmente ergonómico, confortável e resistente como se pretende :-)

E em tempo de crise, é bom apostar em marcas portuguesas e a Lanidor é sem dúvida uma boa opção. É uma marca cheia de estilo, super trendy, uma prova de que o que é nacional é bom :-)

Depois de corrermos os shoppings, lá fomos encontrar um par tamanho 26 na loja do Alegro. Parece que estava à nossa espera! Era o único! A piolha experimentou, sentiu-se bem e gostou. Aprovado :-)

Pronto, para este Inverno está tudo, dizia eu em tom confiante pronta a fechar os cordões à bolsa. Já tem os sapatinhos, não precisa de mais nada.

Pois... pois... mas no dia seguinte caí em tentação... tornei a pecar... vou entar ali só naquela loja para dar uma vista de olhos... é só para ver e tal... mas aquele casaquinho de lã bordeaux com aplicações no decote, aquelas bermudas e aquele vestido de princesa fizeram-me tantos olhinhos que acabei por os trazer para casa!

Ai ai... já está comprado e pronto! Não me vou auto-flagelar por isso! eh eh eh!

A minha bonequinha merece :-)

Chocante... brutal :-((

24.10.11, Paula Veiga Claro
Todos os dias passo os olhos pela Visão online. E hoje fiquei absolutamente horrorizada com esta notícia. Mas que raio de mundo é este em que vivemos??

Na China uma criança de dois anos foi atropelada duas vezes e deixada a agonizar no meio da rua. As pessoas passavam, olhavam e ninguém a socorria.... MEU DEUS!... que brutalidade, que tristeza... o homem é sem dúvida o animal mais cruel à face da terra... dizem que a lei chinesa conduz a um medo de intervir, ou seja, a relutância em ajudar desconhecidos é generalizada. Mas aqui trata-se de uma menina de DOIS ANOS!!! dois anos!!!... que corações são estes que deixam uma inocente a agonizar e permitem que ela seja atropelada duas vezes... e que raio de pais são estes que a deixam sózinha?? provavelmente até se queriam ver livre dela... não sei... a política do filho único faz com que os chineses tenham o desejo de ter um filho macho, um filho homem... e para muitos pais as meninas são um alvo a abater.

E não falo mais nisto porque estes assuntos fazem-lhe ferver por dentro. Figo revoltada, mal disposta, com uma vontade enorme de ser uma espécie de super heroina com poderes mágicos para acabar de vez com a maldade que há por este mundo fora.

Esta menina tinha menos um ano que a minha filha. Pobre inocente. Quem me dera que todas as crianças podessem ter tudo aquilo que a minha princesa tem. E não me refiro a bens materiais mas SIM a amor, carinho, mimos, beijos, atenção, diálogo, compreensão, protecção.... uns pais que a amam acima de tudo e que só pensam no seu bem. É mimada, pois é, muito mimada mesmo! mas desde quando é que os mimos fazem mal a alguém? Eu devoro-a com mimos e costumo dizer que todos os mimos que lhe dou ainda são poucos. E gostava de ser milionária para conseguir concretizar um dos meus maiores sonhos: criar uma fundação para ajudar as crianças por este mundo fora, para proporcionar amor e qualidade de vida às que nada têm.

Aqui segue a notícia na integra retirada da Visão online:

"Uma criança de 2 anos foi vítima de atropelamento no passado dia 13 de Outubro, no estado de Guandong - China. O vídeo de vigilância mostra a criança a ser atropelada por uma carrinha, que seguiu caminho deixando a criança caída, a sangrar, numa rua estreita da cidade industrial de Foshan, no sul da província de Guandong.
Dezoito pessoas passaram nos minutos a seguir ao acidente, de carro, a pé e de bicicleta, mas nenhuma parou. A criança foi ignorada, acabando por ser atropelada uma segunda vez.
As imagens do acidente que ocorreu na passada 5ª feira à tarde mostram os sucessivos desvios feitos à volta da criança, e da poça de sangue onde se encontrava. Só a 19ª pessoa, uma funcionária de limpeza municipal de 58 anos chamada Chen Xianmei, é que largou a sua função para socorrer Yueyue, que encontrou quase sem vida.
O China Mail assegurou que Chen Xianmei foi ainda avisada pelos lojistas para não se meter no assunto quando esta procurava descobrir a identidade da criança.
A bebé encontra-se em coma profundo nos cuidados intensivos no Hospital Militar da cidade de Guangzhou. Segundos os médicos declararam ao Daily Telegraph, a criança sofreu complicadas lesões na cabeça, e apenas respira com ajuda do ventilador. Segundo os médicos disseram ao China Mail, Yueyue podia morrer a qualquer momento. Foi declarada morte cerebral no Domingo. O médico (Peng) ainda referiu que, na melhor das hipóteses, a criança ficaria em estado vegetativo, com suporte básico de vida.
A história de Yueyeu atravessou os principais portais online na China, acompanhada do vídeo que atraiu milhões de visualizações em apenas algumas horas.

Segundo o Daily Telegraph, muitos classificaram o vídeo como uma prova de que a China se está a tornar num "mundo sem moral". Outros culpam a cultura de compensação da China por um aparente show de insensibilidade, relembrando o caso do Bom Samaritano, que ajudou uma mulher a chegar ao hospital, e foi erradamente ordenado a pagar-lhe uma compensação. "Eles não ignoraram a rapariga, apenas não ousaram ajudá-la", dizia um de muitos comentários que salientava que a Lei chinesa conduz a um medo de intervir. A relutância em ajudar desconhecidos é generalizada e já conduziu a um debate angustiante no país, segundo o The Guardian.
Apesar da indiferença da sociedade, o pai da criança disse não querer entrar em debates de moral, optando apenas por rezar pela sobrevivência da criança."

Pág. 1/4