Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Angel Luzinha

Fotografia e o prazer de ser Mulher e Mãe por Paula Veiga Claro

Angel Luzinha

Fotografia e o prazer de ser Mulher e Mãe por Paula Veiga Claro

Parece uma cena de um filme mas aconteceu-me ontem à tarde

06.06.18 | Paula Veiga Claro

Angel Luzinha Fotografia-9555_blog.jpg

 

Há quem não goste de andar a carregar com moedas mas eu até tenho uma carteira só para elas porque me dão imenso jeito. Uma pessoa passa a vida a fazer depósitos nos "mealheiros" da Emel e da Parques Tejo e quando elas faltam é um desatino. Foi o que me aconteceu ontem ao final da tarde. Às 17h00 fui buscar a Rafaela e a seguir rumámos ao centro de Lisboa para dar um salto ao evento da Avon que começava às 18h30. Escusado será dizer que dei voltas e mais voltas até encontrar um lugar, mas lá me safei numa das ruas perpendiculares. Nisto, meto a mão na mochila para sacar da tal bolsinha onde guardo as moedas e... POW! Percebi que a tinha deixado na outra (é o que dá andar sempre a trocar de malas!). Amaldiçoei-me enquanto fiquei a pensar se seria melhor procurar outro lugar (porque naquela rua nem um café havia para trocar a nota de 5€ que tinha na carteira) ou ficar sentada no carro durante meia hora à espera que o relógio batesse nas 19h00. A segunda opção era a mais sensata mas também não me apetecia estar ali meia hora à espera que os parquímetros da Emel entrassem no horário da folga. Enfim...

 

A Rafaela ficou encostada ao carro a moer-me o juízo porque estava cheia de fome (já tinha lanchado na escola mas os putos em crescimento são umas verdadeiras trituradoras!) e eu resolvi tentar a sorte junto de quem passava, mesmo sabendo que dificilmente encontraria alguém que tivesse moedas suficientes para trocar pela nota. Felizmente cruzou-se por mim uma rapariga que me deixou com vontade de a encher de beijos!

 

"Desculpe, tem moedas que me possa trocar por uma nota de 5€?", perguntei-lhe sem grandes esperanças.

 

"Sou capaz de ter, deixe-me ver" (e começou a mexer nos bolsos e na carteira).

 

"Tenho 4,60€" respondeu-me sorridente enquanto eu exclamei "Ohhhh vou ter mesmo que ficar aqui meia hora! Tenho receio de deixar o carro sem talão porque a Emel anda sempre em cima. De qualquer forma, muito obrigada pela atenção!"

 

A rapariga olhou para mim e disse: "Mas de quanto é que a senhora precisa?"

 

 "De 0,40€ porque a partir das 19h00 já não se paga", respondi.

 

Ela olhou para mim, estendeu a mão e disse: "Não é por 0,40€ que fico mais pobre! Fique com eles!"

 

E é nestes momentos que uma pessoa percebe que o mundo não está perdido e que numa Lisboa em hora de ponta ainda há quem perca uns minutos com gestos tão nobres. Fiquei atrapalhadíssima e disse-lhe que não valia a pena mas a rapariga insistiu e eu acabei por aceitar. Agradeci-lhe e pedi-lhe o contacto para lhe devolver o dinheiro posteriormente. Ela sorriu e respondeu: "Ora essa! Pode ser que ainda nos cruzemos e que seja eu a precisar!". A seguir sorriu e começou a afastar-se porque a vida acelera sempre ao final da tarde.

 

Eu fui atrás dela, puxei do meu cartão e dei-lhe. Ela leu e exclamou: "É fotógrafa?! Vou-me casar este ano!"

 

"Sim, sou fotógrafa mas não fotografo casamentos. Não trabalho nesse ramo. De qualquer forma, deixo-lhe os meus contactos e se eu puder ajudar nalguma coisa basta ligar-me. Desejo-lhe as maiores felicidades. Fico-lhe profundamente grata pela atenção".

 

E assim nos despedimos. Parece uma cena tirada de um filme porque em Lisboa raramente se encontra este tipo de altruísmo (sobretudo à hora de ponta!). Sou alentejana, vivo aqui há 24 anos mas confesso que ainda fico chocada com a indiferença, má educação e falta de coração de muita gente com que me cruzo. Quem segue o blog sabe que sou o tipo de pessoa que está sempre pronta para ajudar e que faço questão de passar esta forma de estar na vida à minha filha porque a felicidade está na partilha. Por isso mesmo, também faço questão de partilhar este momento convosco para relembrar que os gestos, por mais pequenos que possam parecer, podem fazer toda a diferença no dia de uma pessoa. 

 

PS. Estou farta de receber comentários a chamar-me nomes e a perguntar porque é que não troquei a nota de 5€ pelos 4,60€. Até parece que roubei ou violentei alguém!! Está tudo doido????? AINDA NÃO PERCEBERAM que no stress do momento nem me lembrei de tal coisa!? Só me ocorreu pedir-lhe os contactos para lhe pagar os 0,40€ posteriormente e dar-lhe o meu cartão prontificando-me a ajudar no que for preciso. Ainda não perceberam ou é preciso fazer um desenho???? Só me apercebi da minha idiotice quando cheguei a casa e comecei a contar ao meu marido. Foi nesse momento que se fez luz no meu cérebro! Enfim, mas fico contente por saber que sou a única a ter uma branca em situações de stress. A avaliar pelos comentários já percebei que mais ninguém tem ataques deste género, sobretudo os anónimos chico espertos que andam por aí a espalhar "inteligência". Pois é meus queridos, não se esqueçam que todos temos telhados de vidro e que para a próxima pode ser o vosso raciocínio a falhar ;)

 

Também nos podem seguir no InstagramFacebook e YouTube

 

 

31 comentários

Comentar post

Pág. 1/2