Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Angel Luzinha

Fotografia e o prazer de ser Mulher e Mãe por Paula Veiga Claro

Angel Luzinha

Fotografia e o prazer de ser Mulher e Mãe por Paula Veiga Claro

Não vou em modas absurdas

22.07.15 | Paula Veiga Claro
Há três anos escrevi este post e hoje venho reforçar a minha opinião sobre esta moda que não me entra na cabeça. Não sou nem nunca serei uma fashion victim. Nunca devemos dizer "desta água não beberei" mas posso afirmar isto com toda a certeza porque gosto de estar a par das tendências mas sou incapaz de comprar uma coisa só porque se usa ou porque a vizinha do lado tem igual. Aliás, prefiro fugir ao óbvio do que andar atrás de rebanhos. Para mim a saúde e o bem estar estão acima de qualquer moda.

Isto para dizer que este fim de semana entrei na Seaside para comprar umas sandálias para a Rafaela (que estafa calçado que se farta!) e tive que contar até 100 para não me enervar. Uma pessoa entra na secção de criança e dá de caras com socas de madeira e sandálias de salto e cunhas altíssimas... mas está tudo doido? Quem é que mete na cabeça das miúdas que os saltos prejudicam a coluna e o normal desenvolvimento dos pés, quando as marcas invadem o mercado com estas modas absolutamente ridículas e inconscientes? Uma coisa é calçar sapatos de espanhola ou de Princesa Bela no Carnaval e a outra é andar assim no dia a dia. 

Só sei que antes de entrar na loja avisei-a para não começar com ideias mas as minhas palavras entraram por um lado e saíram pelo outro. Mal entrou avistou estas sandálias e toca de me massacrar. Ainda por cima eram o número dela... estão a imaginar, não estão? Qual é a miúda que resiste a estas coisas? Fez olhinhos de anjinho, experimentou, argumentou mas não teve hipótese. Da minha parte obteve sempre um NÃO acompanhado da devida explicação. Mas o pior vem a seguir ah ah ah! Ensinei-a que nunca devemos desistir daquilo que queremos e é nestas alturas que sofro as consequências de ter uma filha que segue à risca os meus ensinamentos! Vá de argumentar... vá de me atormentar o juízo...

"OK mamã. Nesse caso eu só ando com elas em casa, pode ser?" (quem a ouve falar dá-lhe 18 anos, a sério!)

"Nem pensar! Já tens os de espanhola para andares em casa de vez em quando. Não compro mais nada do género e ponto final".

Enfim, tive que me aborrecer para acabar com a conversa. E lá foi ela, entre protestos e lamurias, procurar alternativas. No fim lá se entendeu com estas Ipanema. Dão com tudo, são giras, sóbrias, rasteiras, flexíveis e aderentes como se quer. Mas atenção! Este tipo de calçado não é para se usar todos os dias porque o calçado excessivamente mole e rasteiro (sabrinas, chinelos e afins) também pode causar outros problemas. O ideal é adequar o calçado ao tipo de atividade, como refere o podologista João Martiniano neste artigo.








Se eu não fosse uma mãe galinha, juro que te comprava o raio das sandálias de salto alto só para ver como é que te safavas no teu dia a dia de criança imparável... mas cheira-me que depois do braço íamos ter uma perna partida ou um tornozelo deslocado... enfim, girls will always be girls!

Túnica Benetton /calções Mim / colar Terços da Lupinha / elástico cabelo Decathlon

Também nos podem seguir no  Instagram e Facebook

3 comentários

Comentar post