Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Angel Luzinha

Fotografia e o prazer de ser Mulher e Mãe por Paula Veiga Claro

Angel Luzinha

Fotografia e o prazer de ser Mulher e Mãe por Paula Veiga Claro

Por aqui

26.02.12 | Paula Veiga Claro
Continuamos a recuperar.

Não me quero gabar mas hoje não houve febre, vómitos nem diarreia... parece-me que o bicho mau está a amansar... vamos ver... vamos ver... está a dar luta o maldito.

A modos que foi um fim de semana em cheio... foi mesmo :-((((


Pérolas: Uma filha no papel de mãe :-)

26.02.12 | Paula Veiga Claro
De manhã, enquanto desinfectava a casa de banho pela milionésima vez, consegui que, por alguns minutos, a Rafaela largasse as minhas pernas e fosse brincar para o seu quartinho com o papá.

Andava eu de esfregão e lixívia em punho, quando desatei a rir ao ouvir esta conversa. A piolha estava a brincar às comidas e aos tachinhos com o papá. Nisto vira-se para ele e diz "Senta-te à mesa filho, e agora come porque estás doente".


E tem sido assim

26.02.12 | Paula Veiga Claro
A prova de que as viroses continuam está aqui.... dizem que lá fora parece verão mas aqui dentro a malta está de molho nesta espécie de hospital caseiro :-(

Hoje (felizmente) tenho estado melhor. Não tenho tido febre mas continuo com uma carraspana das boas. Agora a vítima do bicho mau é o papá que acordou hoje de madrugada com vómitos e diarreia.

E aqui andamos nisto. Aqui andamos a contaminar-nos mutuamente. Tudo começou com a febre da piolha, depois passou para mim e agora vai no papá!! O vírus deve ter sofrido alguma mutação porque nós não tivemos vómitos nem diarreia.

E é assim, uma "alegria". Felizmente a Rafaela foi a primeira a adoecer mas recuperou rapidamente... vamos lá ver esta noite não acordamos as duas a  caminho da sanita.... era o que nos faltava :-((

Não seria a primeira vez! Já cá tivemos muuuuuuuitas viroses deste género!! Esta é mais uma... é aguentar.

Mas ao que parece anda por aí um surto qualquer porque já falei com outras mães cujos filhos estão noutras escolas e colégios e anda tudo assim.

Pelo sim, pelo não, já preparei as camas com as devidas proteções para vómitos e já coloquei uma série de toalhas e sacos ali ao pé... just in case...


Desabafos

26.02.12 | Paula Veiga Claro

Só quem é mãe consegue alcançar o verdadeiro sentido das palavras que se seguem... só quem tem filhos em instituições de ensino consegue perceber.... e quem, como eu, não tem ajudas por perto, consegue compreender o que uma mãe sente quando tem que deixar um bebé de quatro ou cinco meses num berçário.

Eu tive que deixar a minha querida menina com cinco meses no berçário da escola que ela frequenta ainda hoje. Se me custou??? SIM, muito.... chorei que nem uma Santa Madalena... felizmente a escola proporcionou-me uma semana de integração, ou seja, na última semana da minha licença de maternidade todos os dias ia para o berçário com ela, mas todos os dias reduzia a minha permanência... até ao dia em que tive que a deixar e vir embora. Lembro-me como se fosse hoje. A educadora Cristina olhou para mim e disse-me no seu tom maternal e carinhoso "Pronto, agora a mamã pode ir beber um café, que ela hoje já dorme cá a sesta. Quando ela acordar telefono-lhe". Eu olhei para ela, querendo adiar o inadiável, e disse-lhe "Mas eu não bebo café!".... "Então beba uma água, relaxe, aproveite para descansar um pouco. Fique descansada que ela fica muito bem entregue".

Desci as escadas da escola, caminhei pela rua, senti-me perdida, sem rumo. Senti um vazio horrível. Foram cinco meses consecutivos sempre ao pé da minha piolhinha... estava profundamente satisfeita com a escola que tinha escolhido porque tinha excelentes referencias e foi fruto de uma longa pesquisa... mas o meu coração estava despedaçado. 

Fui para casa. E tanta coisa que eu tinha em casa para fazer! Mas não consegui fazer NADA. Roupa para passar, roupa para lavar, camas para fazer, sopinha para tratar... outras tantas coisas para arrumar... mas não consegui fazer NADA. Estar em casa sem ela era para mim algo de novo. Sentia um silêncio, uma coisa horrível. Sentei-me no sofá, desatei a chorar compulsivamente e coloquei o telemóvel à minha frente à espera que a Cristina me ligasse para eu a ir buscar. Liguei ao meu marido e à minha mãe. Chorei.... chorei....

Quando o telefone tocou, voei até à escola (que felizmente fica mesmo aqui ao pé de casa, ponho-me lá em dois minutos a pé).

Cheguei e agarrei-me a ela como se não a visse há uma eternidade. Que saudade! A Cristina disse-me que ela tinha dormido a sesta e que tudo tinha corrido bem. E eu vá de olhar para ver se ela estava bem... porque no berçário já havia uns pequenitos que estavam a começar a gatinhar e eu via neles uma ameaça à minha pequerrucha de cinco meses. E se a arranham?? e se lhe metem o dedo nos olhos???... e se a mordem??? enfim, até cheguei a ligar à Susana (que é a actual educadora dela e coordenadora) para expor os meus receios. Ela tranquilizou-me. Foi impecável. Hoje sinto-me ridícula quando digo isto mas na altura só me ocorriam coisas horríveis.

E foi assim a semana de integração. Na segunda feira seguinte comecei a trabalhar (nessa altura trabalhava em full time na revista onde estive oito anos ) e quando a deixei já não chorei. Percebi realmente que ficava em boas mãos... mas passava o dia com uma inquietação interior, uma saudade imensa, uma vontade da ir buscar para a esborrachar com beijos.

Até hoje estou muito satisfeita com a escola. Não tenho rigorosamente nada a apontar. Dou por muito bem empregue o dinheiro que pagamos todos os meses. Temos ali uma segunda família e profissionais extremamente competentes. O único aspecto negativo são as doenças que por lá se apanham... que se apanham ali ou em qualquer outra escola privada ou pública.

E quem tem que deixar um bebé de cinco meses num berçário, compreende perfeitamente o que estou a dizer!!! até atingirem a tal imunidade sofrem eles e sofremos nós. O primeiro ano é absolutamente desastroso. É um stress constante para todos. Ela apanhou todos os tipos de viroses, desde gastroenterites, conjuntivites, bronquiolites, otites... eu sei lá!... adoecia ela e em seguida adoecíamos nós. Ela adoecia e eu tinha que faltar ao trabalho. Era o stress da ver doente e o stress de estar a faltar... depois não me podia dar ao luxo de ficar em casa com ela até à sua total recuperação, o que significava ter que a deixar na escola sabendo que ela ainda não estava a 100%.... ou seja, a pobrezinha ainda não tinha saído de uma e já estava a apanhar outro bicho qualquer porque ainda estava em convalescença.... enfim.... o primeiro ano foi muuuuuuuuuito complicado. Chegámos a estar os três bastante doentes aqui em casa... 

Todos me diziam que o primeiro ano é sempre assim e que depois as crianças ficam fortes e blá blá blá... mas isto é fácil de se dizer! de facto ela é uma criança extremamente saudável mas eu preferia que ela não tivesse passado por tantos vírus e bactérias ao longo destes tempos. Ela e nós!! desde que somos pais temos tido de tudo um pouco! 

Como diz o ditado, com o mal dos outros podemos nós! e quem tem o privilégio de ter os filhos nos avós  durante os dois primeiros anos de vida, fala de animo leve de todas estas questões. 

Cheguei a ir trabalhar sentindo-me um monstro, sabendo que devia ficar em casa mais três ou quatro dias até a piolhinha ficar boa por completo... sentia-me culpada cada vez que ela adoecia, culpada sem o ser porque eu tinha que ir trabalhar e não a podia levar comigo! ela tinha mesmo que ficar no berçário... enfim, o conflito interior era permanente e desgastante. E eu também gostava imenso do meu trabalho, tinha ali uma grande equipa, uma excelente revista. 

Mas a crise falou mais alto. Começaram os consecutivos despedimentos colectivos e a minha vida profissional deu uma reviravolta. Nesse momento nem pensei duas vezes, optei de imediato por me dedicar à princesa. Passou a frequentar a escola apenas de manhã e eu passei a ser free lancer com tudo o que isso tem de bom e de mau.

Actualmente a piolha conquistou a tal imunidade que as pessoas tanto falavam. Raramente adoece e quando adoece fica boa num piscar de olhos. Mas as viroses continuam a frequentar a nossa casa..... ahhh pois!.... não com a frequência e a intensidade dos primeiros tempos... mas continuam :-(

BOM FDS ;-)

24.02.12 | Paula Veiga Claro
Pelo menos esta tarde já não tive febre... parece que o bicho mau está a amansar... vamos ver. Sem febre já me sinto outra ;-)

Agora tenho muita sede e muuuuuuuito sono....

Votos de um BOM FIM DE SEMANA para todos aqueles que visitam diariamente aqui o cantinho cor de rosa da Angel e da Luzinha :-)

Divirtam-se!!... por aqui vamos estar em recuperação :-)))

Bebé troféu

24.02.12 | Paula Veiga Claro

Estava aqui a dar uma vista de olhos numa revista feminina, pela qual até tenho grande consideração, quando me deparei com um artigo sobre a Victoria Beckham intitulado "Bebé troféu". 

O referido artigo fala dela e da sua pequena princesa, Harper Seven. A introdução chamou-me a atenção e acabei por ler tudo até ao fim.

"Já lhe chamam o mais recente acessório de moda de Victoria Beckham: a bebé Harper vai com a mãe a todo o lado, vestida com as últimas tendências infantis.
Amor maternal, vaidade ou exibição da filha?"

É assim que começa o artigo. Confesso que não tenho nada a dizer da Sra. Beckham. Detesto meter-me na vida dos outros e tenho por regra nunca fazer juízos de valor sobre quem não conheço. Para além disso, quem trabalha ou já trabalhou na comunicação social, sabe os disparates que se escrevem sobre as figuras públicas em prol do lucro e das audiências. É triste mas é verdade. E em tempo de crise os cancros jornalísticos proliferam a uma velocidade assustadora! Notícias que distorcem a realidade, notícias sem qualquer conteúdo credível... é impressionante!

Para mim a Sra. Beckham é uma mulher de família. É assim que os meus olhos a vêem.
Se é convencida, antipática, arrogante... talvez sim, talvez não!... não sei!.... não a conheço! não posso nem devo fazer qualquer juízo de valor sobre ela. Apenas me parece que uma mulher que tem quatro filhos, tenha ela muito ou pouco dinheiro, é definitivamente uma mulher de família.

O artigo diz que Victoria leva a sua pequerrucha para todo o lado. Ora isso é de se criticar????
Qualquer mãe como deve ser faz o mesmo! Eu também ando sempre com a minha princesa atrás!

Depois dizem que a benjamim anda sempre vestida com as últimas tendências infantis. Mas isto tem alguma coisa de mal?? O contrário é que seria de admirar!!!
A mamã Beckham tem rios de dinheiro, tem três filhos do sexo masculino e agora surge-lhe esta fofura! É óbvio que deve estar desejosa de encher a casa de cor de rosa, saias, vestidos, lacinhos e bonecas!!! Eu não tenho rios de dinheiro (nem lá perto!!!!) mas sou viciada em comprar roupa para a minha filhota! Gosto de a ver toda giraça! Sou mãe e mulher, é normal! Todas nós temos o nosso lado fútil! umas mais, outras menos, mas todas temos :-))

Depois ainda perguntam se o facto da Sra Beckham se fazer acompanhar pela piolhita, será amor maternal, vaidade ou exibição da filha???? Mas que raio de pergunta é esta????? Eu como mãe acho que é um pouco de tudo! Eu tenho um amor profundo pela minha filha, ando sempre com ela, sou uma mamã completamente babada e vaidosa com a minha cria e não vejo isso como uma exibição! Qualquer mãe gosta de se fazer acompanhar pelos filhos, qualquer mãe gosta de os mostrar e de contar as suas gracinhas! Não vejo isso como uma exibição mas sim como uma extensão natural da nossa felicidade.

E ainda há quem diga que Victoria usa a bebé como mais um acessório de moda. Enfim... isto só pode ser dito por quem não tem filhos, por quem não sabe o prazer que se tem em andar com eles ao colo, o prazer que se tem em ver as pessoas pararem na rua para espreitarem para dentro da cadeira enquanto esboçam um "ohh tão querida! quantos mesinhos tem?"... ou quando puxamos pelas fotos que temos na carteira para mostrarmos como os nossos tesouros estão crescidos e bonitos.


A opinião pública tem a memória curta mas eu ainda me lembro da sua primeira gravidez. Quando o seu primogénito nasceu ela também andava com o seu rapazola fofinho atrás.

Victoria Beckham tem uma vida bastante diferente do comum dos mortais. Nós andamos pelos parques, jardins, shoppings, supermercados e padarias com os nossos tesouros, ela anda em festas, feiras de moda, desfiles de moda, apresentações, eventos públicos porque é essa a sua realidade. Não vejo mal nenhum nisso. Sendo a bebé ainda tão pequenita, parece-me perfeitamente normal que a sua mamã queira andar sempre com ela. O contrário é que seria de criticar!

Como figura pública que é, só lhe restam duas alternativas: ou anda sempre sozinha para não expor os filhos ou então, como mãe dedicada que parece ser, anda sempre com eles e arrisca-se a passar por exibicionista porque atrás dela há sempre uma câmara.

Infelizmente a inveja envenena as pessoas e fá-las tecer comentários tão absurdos sobre tudo e mais alguma coisa. É uma pena que o mundo seja assim, cheio de pessoas que só se sentem bem em criticar a vida e a felicidade alheias...

E já agora tenho a dizer que, na minha opinião, a Sra. Beckam tem um excelente bom gosto na forma como veste a sua pequena Harper. Tem muito dinheiro mas também tem muito bom gosto, ao contrário da sua amiga Katie Holmes que veste a sua Suri de uma forma que não me agrada minimamente. É certo que Suri tem um guarda roupa milionário mas de muito mau gosto para uma menina da sua idade. Já a bebé Harper tem um guarda roupa maravilhoso e adequado aos seus tenros mesinhos. Aqueles modelos Chloé fazem as minhas delicias! são um luxo, pois são, mas são lindos, fofinhos, femininos e absolutamente confortáveis. SIM, porque tudo tem o seu tempo e eu gosto de ver as crianças vestidas de acordo com as suas idades.

Que a Sra. Beckham seja muito feliz com a sua princesinha e que aproveite ao máximo os seus tempos de bebé que passam num instante!... porque ser mãe é mesmo a melhor coisa do mundo ;-)



Ponto de situação

24.02.12 | Paula Veiga Claro

A piolhinha já está fresca que nem uma alface! O vírus já abandonou aquele corpo fofinho (que eu adoro encher de beijinhos!) e dele resta apenas uma constipação. Ontem à noite já andou a correr pela casa feita maluca depois de jantar! EXCELENTE! Já está no seu estado normal! :-) 

É impressionante a capacidade de regeneração das crianças. Adoecem de um momento para o outro mas num instante se recompõem. Ainda bem :-) Aos pulos e a correr é que eu gosto de a ver!

O papá aguentou o dia de trabalho mas chegou a casa cheio de frio, dores no corpo e uma ponta de febre. Destilou a noite toda mas hoje de manhã sentia-se bem e foi trabalhar.

E eu, estou melhor mas não muito. Parece que o vírus teima em ficar por aqui.... é o que dá ser Anjo da Guarda! Trato de todos e depois levo com a bicharada toda a dobrar :-(
Hoje já dormi melhor mas ainda acordei com febre de manhã.... bufff... ando numa de benuron/brufen porque a febre nunca baixa por completo. Continuo com esta maldita dor de cabeça, para já não falar nos espirros, na tosse, nos quilos de ranho, na dor de garganta, olhos, nariz, ouvidos e rins!.... enfim, a sensação de enxerto de pancada mantêm-se, apesar de menos intensa. 

Cheira-me que amanhã já estarei melhorzinha... mas cheira-me que não vou estar em condições de andar pela rua a aproveitar os 20º que dão para este fim de semana. Mas quero lá saber! Neste momento só quero exorcizar esta porcaria que se apoderou de mim :-(

Entretanto, enquanto a febre não sobe, deixa-me atirar ao cesto da roupa para passar. É desta que lhe vejo o fundo, a sério.